Pela primeira vez na história, a produção brasileira de soja deve superar 100 milhões de toneladas. A estimativa é que ela chegue a 102,1 milhões de t no ciclo 2015/16, com aumento de 6,1% na comparação com as 96,2 milhões de t de 2014/15. Os números constam do 4º levantamento da safra de grãos 2015/16 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A projeção é que a colheita total alcance o recorde de 210,5 milhões de t, com crescimento de 1,4% (2,8 milhões de t) sobre o período anterior, de 207,7 milhões de t.

“Tudo indica que vamos ter uma boa safra”, destacou o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), André Nassar, que participou da divulgação dos números da Conab. “A nossa agricultura continua se expandindo e atendendo às expectativas dos produtores e do mercado.” Segundo ele, este é um momento importante do desenvolvimento da safra. “Por isso, considero o quarto e o quinta levantamentos da safra de grãos importantes para sabermos o que ocorrerá na temporada 2015/2016.”

O Mato Grosso deve ter a maior colheita de soja do país, conforme o estudo. A projeção é que a produção da oleaginosa no estado alcance 28,3 milhões de t, representando cerca de 28% da safra nacional do grão, seguido do Paraná, com 18,5 milhões de t.

Em relação ao levantamento do mês passado, por causa de problemas climáticos, houve uma diminuição de 348,6 mil toneladas na safra de soja. Já o arroz teve queda de 236,5 mil toneladas. O Mapa e a Conab estão monitorando o desenvolvimento das lavouras de soja no MT e de arroz no Rio Grande do Sul – respectivamente, os dois maiores produtores nacionais desses grãos. “Estamos examinando com mais precisão os efeitos climáticos nesses dois estados para poder dar suporte aos produtores, caso seja necessário”, enfatizou o diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, João Intini.

Ainda segundo a Conab, a primeira safra de milho apresenta redução de 7,7%, passando de 30,1 para 27,8 milhões de toneladas. A queda ocorre, ressaltou a área técnica da empresa, porque os produtores vêm optando pelo plantio de soja na mesma área do milho. Depois da colheita, eles têm cultivado o milho segunda safra.

Fonte: MT Agora – Cenário MT
Link para reportagem